Páginas

quarta-feira, 27 de abril de 2016

PARANÁ - "GOLPES DO DPVAT"
A quadrilha suspeita de aplicar golpes para obter o seguro DPVAT (Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres) oferecia R$ 700 aos motoristas do Instituto Médico Legal (IML) para cada corpo que eles conseguissem informar. Ao todo, doze pessoas foram presas na manhã desta terça-feira (26) durante a “Operação Ressurreição”. Entre os presos estão donos de funerárias, motoristas do Instituto Médico Legal (IML) e empresários. As pessoas detidas serão indiciadas pelos crimes de associação criminosa, corrupção ativa, corrupção passiva, estelionato e falsidade ideológica. Além deles, um médico da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Colombo, um advogado e um gerente de banco foram alvos de mandados de condução coercitiva (quando a pessoa é levada para depor na delegacia). Em 14 mandados de busca e apreensão, além de vasta documentação, cinco armas foram apreendidas e mais R$ 4,8 mil. O suspeito Wagner de Souza Ferreira, dono de uma funerária, está foragido. Outro dono de funerária acabou preso em flagrante, pois durante o mandado de busca, uma arma foi encontrada em seu poder. A investigação foi conduzida pelo Núcleo de Repressão a Crimes Econômicos (Nurce) e a operação aconteceu em Curitiba, Almirante Tamandaré, Colombo, Pinhais, Piraquara e Ponta Grossa contando com a atuação de 60 policiais. “Alguns dos suspeitos são funcionários públicos e deveriam zelar pela administração pública. Casos esses servidores sejam concursados, a Sesp vai abrir um procedimento administrativo que pode resultar até na expulsão do servidor. Nossa gestão não vai compactuar com desvios de conduta”, afirmou o secretário da Segurança Pública e Administração Penitenciária (Sesp), Wagner Mesquita.